quarta-feira, junho 19, 2002

DE PEDRA A VIDRAÇA

De tanto eu falar mal dela, a muçulmana Glória Perez resolveu se vingar e jogou meu nome no vento. Tenho certeza que ela tem alguma coisa a ver com a nova novela da Record. Oficialmente, a trama é venezuelana, mas leiam esta sinopse da novela publicada na última Revista da TV do Globo e vejam se não é uma vingança da mãe de Jade contra a minha pessoa. Em tempo: é bom que se esclareça que eu não sou fotógrafa, sou repórter!

"Na novela da Record, virgem ficará grávida por inseminação artificial

Se o telespectador acha que já viu tudo sobre tramas enlatadas, “Joana, a virgem” promete surpreender. A próxima investida em teledramaturgia da Record, que tem estréia prevista para julho ou início de agosto, com a nova programação da emissora, contará a história de uma mulher que fica “embarazada”, traduzindo para o português, grávida, sem nunca ter tido relações sexuais. Pode?

Nesta trama venezuelana, ainda sem data e horário definidos, pode. A protagonista Joana Peréz (Daniela Alvarado) será vítima de um erro médico e sofrerá uma inseminação artificial. Ainda por cima, o pai da criança, o empresário Maurício (Ricardo Álamo), será estéril! Nem precisa dizer que a moça, que chegará a enfrentar fanáticos que verão nela a reencarnação da Virgem Maria, comerá o pão que o diabo amassou. Haja sofrimento!

Criada numa família em que os desencontros amorosos foram uma constante, Joana é uma fotógrafa bonita, solteira e idealista. Mas tem medo de se envolver com alguém. No quesito relacionamento a dois, Maurício também terá seus problemas. Ele será muito mau casado com a fútil Carlota Vivas (Roxana Díaz). Porém, no meio desta confusão toda, Joana despertará a paixão do repórter boa-pinta David (Jonathan Montenegro).

E como em todas os folhetins importados-lacrimejantes, vilão é o que não vai faltar em “Joana, a virgem”. Mas o pior deles atenderá pelo nome de Rogelio Vivas (Eduardo Serrano). Ele vai roubar, trair e passar por cima de qualquer um para alcançar seus objetivos. Seu filho, Alfredo Vivas (Leonardo Marrero), vai seguir a mesma cartilha-clichê de maldades. E, para variar, também será um mulherengo."

OLHEM A CARA DA JOANA:



Ai gente, qualquer semelhança com nomes, pessoas ou acontecimentos reais terá sido mera coincidência, hein!

quinta-feira, junho 13, 2002

O LADO BOM:

"A esperança de uma solteirona é que depois do Dia dos Namorados sempre vem o dia de Santo Antônio."
Joana Ribeiro, a esperançosa.

quarta-feira, junho 05, 2002

CURSO PRÁTICO DE DRAMATURGIA DO JOANAR

MÓDULO I: Como escrever uma novela de Glória Perez

Pegue um assunto da área médica que esteja na moda: clonagem, transplante de coração, mãe de aluguel... Convide Victor Fasano, Raul Gazzolla, Eri Johnson e Guilherme Karam para o elenco. Escreva diálogos sem sentido, crie personagens desajustados e esqueça todo e qualquer compromisso com a verossimilhança. O personagem masculino principal tem que ser interpretado por um péssimo ator (ou um ator que esteja em um péssimo momento). Não há explicação para este fenômeno, mas o fato é que as terríveis interpretação de Victor Fasano (Barriga de Aluguel), Ricardo Macchi (Explode Coração) e Murilo Benício (O Clone) ajudaram a levantar o ibope das novelas. Os personagens suburbanos são fundamentais, devem ser bastante explorados. Mas também é imprescindível criar um núcleo que tenha costumes bem diferentes dos nossos, como muçulmanos ou ciganos. E uma mocinha deste núcleo tem que viver um amor impossível com um mocinho de fora do núcleo. Do meio para o fim da novela, crie uma campanha social, tipo a busca por filhos desaparecidos ou a luta contra as drogas. Tudo isso temperado com cenas longas, chatas, arrastadas e sem sentido.

MÓDULO II: Como escrever uma novela de Benedito Ruy Barbosa

Ma non há dificuldade, cazzo! Este é lo módulo ma facile. Antonio Fagundes é inimigo de Raul Cortez. Ma é tutto buonna gente. O bambino de uno ama a bambina d'outro. Totto mondo parla italiano com sotaque de portunhol. Os italiano tutto vem morar no Brasile. Os namoratti se separam ma depois de uno ani o ragazzo vê a ragazza na rua, já com uno bambino nos bracci. Depui de um tempo, o ragazzo descobre que o bambino é filho dele, ma non crê. Mai 10 anos se passam. O ragazzo (que já non é tão ragazzo) declara tutto su amore para la ragazza (que também já non é mai tão ragazza). No finale, os personagens principales fazem as pazes e todas las familias se juntam para dançar la tarantela.

MÓDULO III: Como escrever uma novela de Carlos Lombardi

Uhuuuuu, e aí parceiro? Você visa escrever uma novela do Lombardi? Demorô, isso é mole pra gente. A parada é a seguinte, tú pega a Danielle Winits e bota os peitos dela bem a mostra. Daí tú chama os irmãozinho Marcelo Novaes, Humberto Martins e Marcelo Faria pra firmar. Os cara vão pegar geral e a mulherada vai rodar de mão em mão. Os camaradas não são mole não, se mexer com eles, é porrada em todo mundo. E se a polícia for atrás, os manos são sagaz, fogem durante 15 capítulos e ninguém encontra. Ah, não se preocupa com história não, o lance é botar mulher gostosa com vestido curto e homem bonito sem camisa, a audiência vai lá em cima, cara! E não esquece da Betty Lago, hein! O papel dela é certo: uma madame histérica. É tiro certo mano, podis crer.

MÓDULO IV: Como escrever uma novela de Aguinaldo Silva

Ô bichinho, invente uma cidade porreta, que fique lá no sertão nordestino. Tem que ter uma igrejinha, as carolas fuchiqueiras, um político danado de safado e um mistério daqueles de arrancar cabelo de careca. Eita, não pode esquecer do forasteiro, que vai botar a vidinha do povo da cidade de pernas pro ar. E pra aumentar esse furdunço, tem que ter um namorico bem quente. Mas o cabra vai ter que cortar um dobrado pra ficar com a moça, afinal de contas, rapadura é doce mas não é mole não. Claro que sempre tem uma mulher mal amada pra azedar o acarajé dos outros e um corno vingativo que vai atazanar a vida do casal. Mas no fim, fica tudo certo, até o político safado consegue um novo mandato.

ATENÇÃO: Os módulos V (Manoel Carlos) e VI (Gilberto Braga) serão dados posteriormente.

segunda-feira, junho 03, 2002

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
(Só para melhorar o clima depois do último post...)

RUMINANDO...

Tem horas que é preciso chutar o balde. Falar o que der na telha sem pensar na resposta. Olhar no fundo do olho de alguém e dizer todas as verdades que estão engasgadas há tempos. Nem sempre é possível dar vazão a estes instintos. Infelizmente, um instinto maior, o de auto-preservação, nos freia na hora H e acabamos engolindo tudo aquilo que pensávamos em cuspir. O problema é que, quando chegamos a este ponto, a compulsão por cuspir e a obrigação de engolir se repete diariamente. E seguimos assim, ruminando verdades, respostas-prontas, lições de moral que jamais serão postas para fora e tampouco digeridas.
Quando chegamos a este ponto percebemos que é hora de mudar alguma coisa. Mas cadê a coragem? Um corte de cabelo diferente já ajudaria a melhorar o astral, mas a auto-estima de um ruminante é tão baixa que ele se sente fraco até para mudar a cor do esmalte. E então buscamos força em outra pessoa. Essa pessoa nem precisa existir, pode ser aquele filho que você sonha em ter um dia e que, desde agora, já justifica certos sacrifícios.
Mas se essa força-extra não for suficiente, é hora de colocar a boca no trombone mesmo, gritar tudo o que pensa sem esquecer um detalhe sequer. Usar todas as suas armas, de preferência com requintes de crueldade, para atingir o inimigo. Certamente depois da batalha, mesmo que ela resulte em um mal maior, você se sentirá um vencedor, realizado. Ao menos, você estará em dia com sua consciência e poderá recuperar um pouco da auto-estima que está esmigalhada embaixo do seu ego massacrado. Afinal nós, seres humanos, não temos estômago de vaca. Nem sangue de barata. Muito menos cabeça de camarão.